Atualidades

Por: Vania Mugnato de Vasconcelos - Imagem: Pixabay

O mundo convulsiona pelo medo, mais que reage pela prevenção. O medo enfraquece e ajuda a adoecer, enquanto a prevenção é força e forma de impedir o mal de estender suas garras sobre todos. Não falo especificamente do vírus que se tornou o assunto incansável e necessário, manifesto-me de modo geral. As pessoas comumente temem o desconhecido e se desesperam com o que acham que não podem controlar. Por seu impacto um vírus novo causa pânico, enquanto a fome, por exemplo, mata 1 pessoa a cada 5 segundos e não apavora tanto, porque, talvez, ela não seja anunciada ou por não serem todos potenciais vítimas dela.

Leia mais...

Fonte: Jornal de Jundiaí - Por: Vania Mugnato de Vasconcelos - Imagem: Pexels

Não é raro ouvir de espíritas e religiosos não espíritas, quão negativo é o ambiente astral durante o Carnaval, fazendo com que alguns destes julguem quem aprecia a grande festa. Afinal, pensam, há abuso de bebidas, drogas, irresponsabilidade no trânsito, desregramentos no uso das forças sexuais e muitas outras, realmente causando repercussões de ordem material, física, moral e, porque não dizer, espirituais.

Todavia, seríamos ingênuos se imaginássemos que a força das coisas se limita ao mal que existe em determinados momentos e situações, assim como pensar que seríamos submetidos de forma involuntária a essas questões espiritualmente negativas, como vítimas inocentes. É preciso compreender melhor.

Leia mais...

Fonte: CORREIO.NEWSPor: Eliana Haddad  - Imagem: Pixabay

Iniciamos este ano com a notícia de uma epidemia causada pelo coronavírus, um grupo de vírus já conhecido desde 1960 e que provoca doenças que vão de infecções leves a moderadas até as mais graves, como a pneumonia, e que podem levar à morte.

O vírus foi detectado inicialmente na China, em Wuran. Seu período de incubação é de 2 a 14 dias e apresenta como principais sintomas coriza, dor de garganta, febre, tosse e falta de ar. A transmissão acontece por meio de tosse ou espirro; contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão; e contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Leia mais...

Fonte: Letra Espírita - Por: Maria Thereza dos Santos Pereira

Quando conversamos com alguém que recentemente perdeu uma pessoa próxima, não raro dizem não esperar pelo falecimento dela, ainda que estivesse doente ou com idade avançada.

Situações em que acontece a morte trágica, por motivo grave e repentino, principalmente quando o desencarnado possui tenra idade, a surpresa demonstrada pelos entes encarnados é ainda maior, pois manifestam além de tristeza, inconformismo e revolta de maneira muito acentuada.

Leia mais...

FONTE: BBC Brasil - Por: André Bernardo - Imagem: Acervo da Federação Espírita Brasileira

Professor francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, de 53 anos, usou pseudônimo Allan Kardec para assinar 'O Livro dos Espíritos'

Paris, 1857. O professor francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, de 53 anos, estava prestes a colocar um ponto final em seu mais novo livro quando se viu tomado por uma dúvida: usar seu nome de batismo ou recorrer a um pseudônimo?

Leia mais...

O amor, em todos os tempos, tem sido apresentado como o sentimento por excelência. Citações como “amar ao próximo como a si mesmo”, “fazer pelos outros o que quereríamos que os outros fizessem por nós”, são expressões que resumem todos os deveres de evolução na concepção humana e espiritual.

Leia mais...

A vida de Chico Xavier