fbpx
HomeInformativoArtigosO último retrato...
Sábado, 03 Abril 2021 14:38

O último retrato...

 




Fonte:
Momento Espírita 

Desde a chegada da pandemia vivemos em sobressalto. Hoje nos chegam as notícias de um amigo, abraçado por ela e em estado crítico, no hospital.

Ontem, foram as notas breves nos informando de familiares distantes contaminados, que a morte levou, num tempo quase recorde.

Não pudemos comparecer para lhes ofertar algumas flores, ou ensaiar um último adeus.

A cada notícia televisiva ou radiofônica, detalhando as milhares de mortes e de contaminados, corremos a verificar se nosso amor mais próximo está bem, se nossos filhos estão bem, nossos netos, nossos primos...

Preocupamo-nos com nossos pais e avós, de idades avançadas, cuja fragilidade os torna os preferidos dessa pandemia, que parece se eternizar.

Quando chega a notícia de alguém querido, alguém mais próximo da nossa afetividade que se foi, quantas vezes nos surpreendemos pensando: E nem me despedi direito da última vez... Se eu soubesse que ele morreria...

Pensemos que com pandemia ou sem ela, todos os que nos encontramos na Terra estamos com o bilhete de volta no bolso. Uns o temos para logo mais, outros para daqui há semanas, meses, anos.

Mas, conforme assinalou Jesus, essa data, somente o Pai Celestial tem conhecimento.

Por isso, se não temos o hábito, vamos criá-lo: o hábito de nos despedirmos com carinho, amor, toda vez que alguém sair para o trabalho, para as compras, para qualquer compromisso que lhe exija a presença.

Os que estamos no mesmo lar, abracemo-nos, estreitemo-nos, sintamos o coração bater sincronizado com o nosso próprio compasso cardíaco.

E digamos Até logo, tchau.

Depois, o acompanhemos com o olhar até o portão, até a saída.

Se estiver a pé, vejamo-lo voltar-se antes de tomar a rua e acenar, mais uma vez.

Se utilizar veículo próprio, vejamo-lo entrar no carro, colocar o cinto de segurança, ajustar o espelho retrovisor.

Acompanhemos cada gesto. Detenhamo-nos à porta para observar.

Quando, finalmente, ele ligar o motor e nos olhar outra vez, acenando, acenaremos também.

Jogaremos beijos, sorriremos, utilizaremos as duas mãos e gritaremos uma vez mais: Tchau, até logo...

Façamos isso a cada saída de alguém, mesmo que esteja indo simplesmente comprar pão, ali na esquina.

Se, eventualmente, esse for o último Até logo, teremos muitas fotos registradas na alma para recordar: Ele sorriu para mim...

Ele tornou a acenar, depois de fechado o portão, já na rua...

Ele entrou no carro, mas resolveu entrar de novo e disse tchau outra vez...

Tenhamos em mente: a vida na Terra é impermanente. Deixemo-nos ficar na porta, na janela, acenando um tanto mais, até a pessoa desaparecer na curva da estrada, ou no final da rua, dobrando a esquina.

Não tenhamos pressa. A pandemia nos está ensinando que devemos mais e mais saborear a vida familiar.

Que devemos prezar amigos, colegas, conhecidos. Que devemos valorizar a presença do outro.

Saibamos nos despedir, demoradamente. Poderá ser o último retrato do amor que partirá logo mais...

Que não venhamos a nos arrepender de não ter abraçado, beijado, aconchegado.

O logo mais somente Deus o sabe.

Pensemos nisso.

Redação do Momento Espírita.
Em 22.3.2021.

A vida de Chico Xavier

Cadastre no nosso informativo

Informativo

  • Os que foram para o lado de lá e voltaram para contar




    Fonte:
    Vozes Espíritas - Por: Wellington Balbo

    A médica suíça Elisabeth Kübler Ross (08 de julho de 1926 – 24 de agosto de 2004), passou décadas ao lado de pacientes em estado terminal. Sua experiência a fez escrever o livro “Sobre a morte e o processo de morrer”, em que apresenta o modelo de Kübler Ross a informar familiares e amigos de doentes terminais na melhor maneira de conviver com a situação.

    Read more...
  • A morte dói?

     




    Por:
    Orson Peter Carrara

    Quando morre alguém, sentimo-nos todos tomados por um sentimento de perda e dor. É natural, gostamos da pessoa e desejamos que continue vivendo conosco. Mas, a morte é a única certeza da vida e está enquadrada nos acontecimentos normais da existência de todo mundo. A todo instante, partem jovens e velhos, sadios e enfermos…

    Read more...
  • O tempo no plano espiritual

     




    Fonte:
    Letra Espírita - Por: Juliana Procopio

    É muito comum em momentos de despedidas após o desenlace de um ente querido ou uma pessoa conhecida que esteve doente, por exemplo, ouvirmos as pessoas se referirem a quem partiu com a expressão, “em fim descansou”.

    Read more...
  • A saúde pode ser afetada pela obsessão?




    Fonte:
    O Consolador - Por: Orson Peter Carrara

    Desafio está em conhecer a origem dos casos

    Uma interessante matéria publicada por Allan Kardec na Revista Espírita (1) utiliza a expressão loucura obsessional. O texto, que recomendamos aos leitores, é um estudo sobre os Possessos de Morzine, uma localidade em determinada região francesa, alvo de carta endereçada ao Codificador pelo capitão B. (membro da Sociedade Espírita de Paris e naquele momento radicado na cidade de Anecy). Allan Kardec publicou a carta na edição de abril (2), seguida de instruções dos Espíritos Georges e Erasto e ainda acrescentou lúcido comentário sobre a questão. Depois, na edição de dezembro (3), voltou ao assunto, desdobrando-o em bem argumentada análise.

    Read more...
  • Depressão em jovens e adolescentes




    Fonte:
    Correio Espírita - Por: Fátima Moura

    Tenho ouvido muitos relatos de pais e familiares preocupados. A depressão entre jovens, adolescentes e até crianças parece estar aumentando de modo assustador e o assunto também tem sido focado em nossas palestras, sempre que somos convidados a falar sobre temas ligados à família.

    Read more...

Clube do livro




Todo mês um livro novo em sua casa.
Clique aqui e cadastre-se.

Clube do livro



Conheça nosso clube do livro.


Receba todo mês um livro na sua casa.


Cadastre-se aqui para aproveitar.

Contato